Samu opera com 30% do efetivo



A paralisação de três dias dos “samuzeiros” (trabalhadores do Samu) entra nesta quarta-feira, 5, no segundo dia. Eles querem aumento salarial e manutenção das ambulâncias. Segundo o Sindicato dos Condutores de Ambulância, das 59 ambulâncias, 34 estão paradas por falta de manutenção.

O presidente do Sindicato dos Condutores de Ambulância (Sindconam-SE), Adilson Ferreira, informou que, em consequência disso, o tempo resposta para o atendimento tem chegado a quatro horas.

O Samu atende cerca de 300 chamados por dia. A Secretaria de Estado da Saúde (SES) não se pronunciou sobre o assunto.