Folclore de Sergipe retrata sincretismo religioso

Folclore é a sabedoria popular passada de pai para filho. São tradições e manifestações populares constituídas por lendas, mitos, provérbios, danças e costumes. Desde 1965, quando a data foi institucionalizada no Brasil, que o país comemora no dia 22 de agosto o Dia do Folclore. Sergipe tem várias manifestações folclóricas que mostram o sincretismo religioso. Até o dia 22, o Almanaque do Busão estará trazendo duas das 12 existentes em Sergipe. Hoje falaremos sobre o Cacumbi e o Reisado.

cacumbi 3Cacumbis – É um grupo formado por mulheres que integram os festejos do Dia de Reis, 06 de janeiro, nos municípios de Laranjeiras, Japaratuba e Japoatã. Os brincantes saem pelas ruas da cidade dançando e cantando cantigas, algumas delas religiosas, reverenciando santos da Igreja Católica e entidades de religiões da matriz afro, como o candomblé. São celebrados nesta festa os dois santos que eram fortemente louvados pelos escravos: São Benedito e Nossa Senhora do Rosário.  Os adereços e trajes, utilizados nessa celebração, chamam a atenção pelas cores vivas do vermelho, branco, azul e amarelo. O maior ponto da festa é  coroação da Rainha da Taieira, ou Rainha do Congo, numa bela cerimônia de sons e sincretismo religioso

cacumbiReisado – Celebra o nascimento do menino Jesus e a chegada dos três Reis Magos. A manifestação é formada por dois cordões que disputam a simpatia da plateia e são liderados pelas personagens centrais: o “Caboclo” ou “Mateus” e a “Dona Deusa” ou “Dona do Baile”. Também se destaca a figura do “Boi”, cuja aparição representa o ponto alto da dança. Os instrumentos que acompanham o grupo são violão, sanfona, pandeiro, zabumba, triângulo e ganzá.

O Reisado tem como característica o uso de trajes de cores fortes e chapéus ricamente enfeitados com fitas coloridas e espelhinhos.

Essa manifestação acontece nas cidades históricas de Laranjeiras e São Cristóvão, Pirambu e em Japaratuba.

Fonte: Emsetur e Blog Fontes Históricas